Monday, June 5, 2017

Dia Mundial do Ambiente : Atentos a Antárctida !







Dia Mundial do Ambiente celebrada-se todos os anos a 5 de JunhoDia Mundial do Ambiente foi estabelecido pela Assembleia Geral das Nações Unidas (UN), para marcar a abertura da Conferência de Estocolmo de 1972.

Foi o primeiro passo para que a ONU e governos de diversos países evidenciassem a necessidade de se prestar mais atenção ao Meio Ambiente

O dia 5 de Junho foi portanto escolhido por marcar o dia em que teve início a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente.





Antarctida: Pinguim Imperador prepara-se para saltar 
sobre a fenda Riiser-Larsenisen
créditos: Wolfgang Kaehler/Corbis

Desde o seu início, em 1974, o Dia Mundial do Ambiente desenvolveu-se e tornou-se uma plataforma para a sensibilização e tomada de acção relativamente a assuntos cada vez mais urgentes, desde a poluição marinha ao aquecimento global, passando pelo consumo sustentável e o crime contra a vida selvagem.

Milhões de pessoas em todo o mundo sentiram-se motivadas a agir pelo "dia das pessoas" e unem cada vez mais as suas actividades num movimento global, através do website em constante expansão do DMA e das redes sociais.






É cada vez mais urgente uma conscientização da população mundial quanto à necessidade de se preservar o Meio Ambiente. Afinal deixaremos um mundo tão complicado para nossos filhos, nossos netos.

São eles que vão herdar um planeta Terra devastado pela ambição desmedida dos Homens. Por isso devemos ensiná-los desde pequenos a economizar água, reciclar o lixo, cuidar das plantas. Pra que todos os dias possam ser Dia Mundial do Ambiente e não só o dia 5 de Junho de cada ano.





créditos : ONU

Todos os anos, as Nações Unidas apresentam um tema, que serve de ponto de partida para o desenvolvimento de acções de celebração do Dia Mundial do Ambiente.

O tema para 2017 é : "Estou com a Natureza."

O tema convida-nos a entrar fazer vida ao ar livre, fruindo da natureza, apreciar a beleza do planeta sem esquecer os pólos e a pensar sobre como somos parte de toda a natureza e como dependemos dela. 

Nada melhor neste Dia Mundial do Ambiente do que partilhar as últimas notícias sobre as alterações climáticas, nomeadamente no Árctico e na Antárctida.






Antárctida: separação do blocode gelo plata-forma Larsen
créditos : NASA/ John Sonntag handout/ EPA


Não vai há muito tempo que publicámos Antárctida: Iceberg gigante em vias de se desprender.

A plataforma de gelo Larsen C continua a mostrar indícios de separação. Faltam apenas 13 quilómetros para que a fissura da plataforma de gelo atinja outra ponta do bloco de gelo Larsen C. A propagação da fenda tem-se intensificado e estendeu-se por 16 quilómetros.


credits: NASA/ Swansea UNiversity

Foram 20 quilómetros em Dezembro, mais 10 km em Janeiro, em Abril bifurcou-se e em Maio cresceu mais 16 quilómetros. A plataforma Larsen C é uma das maiores placas de gelo na Antárctida.

"A fenda avançou por mais 16 km, com uma aparente e significativa curva à direita perto do final. Agora, só faltam 13 km para que o iceberg se desprenda completamente"

Adrian Luckman, professor da Universidade de Swansea, Reino Unido/ BBC

Mas Luckman ressalva que neste momento nada é ainda certo. Os dados mais recentes foram colhidos entre 25 e 31 de Maio pelos satélites Sentinel-1 da ESA. 





O bloco de gelo que se vai soltar quando a ruptura se completar, será um dos 10 maiores icebergs do mundo, segundo a BBC, e o seu desprendimento poderá provocar outros no futuro.


A curva da fenda foi detectada por satélites que recolheram dados na área entre 25 e 31 de Maio. 

No mês passado os especialistas já tinham detectado "alterações significantes" no Larsen C e filmaram a fenda.




créditos; BAS/ BBC
Luckman acredita que o processo de ruptura será a partir de agora muito mais acelerado do que tem sido nos últimos meses. No entanto, "não deve acontecer rapidamente porque o Mar de Wedell tem muito gelo". "Tudo dependerá das correntes e dos ventos", explica.
Segundo estimativas dos especialistas, se todo o gelo actualmente retido pela barreira Larsen C chegar ao mar, o nível dos oceanos poderá subir cerca de dez centímetros.

The United Nations, aware that the protection and improvement of the human environment is a major issue, which affects the well-being of peoples and economic development throughout the world, designated 5 June as the World Environment Day.
Each World Environment Day is organized around a theme that focuses attention on a particularly pressing environmental concern. 



Arctartica
credits: Vanessa Stephen & Kirsten Horne

The theme for 2017: ‘Connecting People to Nature’.

Connecting People to Nature implores us to get outdoors and into nature, to appreciate its beauty and its importance, and to take forward the call to protect the Earth that we share.

Nothing better than to talk again about the largest break-offs ever recorded, separation of iceberg could trigger breakup of most northern major ice shelf, Larsen C giant section of an Antarctic ice shelf is hanging by a thread and could break off at any moment, researchers have revealed.




Capture d'écran vidéo
http://s-www.ledauphine.com/
The split in the Larsen C ice shelf of the Antarctic peninsula will release a huge iceberg 5,000 sq km in size – an area about a quarter of the size of Wales.
“The rift is nearly 200km long now, and it has turned towards the ice front, suggesting that it has only got that last piece to go – and that last section is only 13km,” said Professor Adrian Luckman, a scientist at Swansea University and leader of the UK’s Midas project – an endeavour that has been monitoring the situation at the Larsen C ice shelf.






The team have revealed that the latest images show that between 25 May and 31 May alone, the rift grew by 17km – the largest hike since the start of the year. 

With the next news from Larsen C – based on satellite data using radar imaging systems – not expected until Tuesday, the current state of the rift remains a tantalising mystery. Read more here

It's time to stop and think!

Geração 'explorer'

05.06.2017

Creative Commons License

Saturday, June 3, 2017

Apresentação Projecto : Geração Polar






A Escola Francisco Torrinha, Porto, representada pelos alunos das turmas C | I do 6º Ano, no âmbito da Área Curricular Disciplinar de Língua Portuguesa e Áreas Curriculares não Disciplinares de Formação Cívica e Estudo Acompanhado leccionadas pela Professora Gina Souto, participou no Projecto Nacional LATITUDE 60 - Educação para o Planeta no Ano Polar Internacional 2007-08.

O projecto Torrinhas Exploradores Polares, actualmente Geração Polar, nasceu da ideia participar no concurso À Descoberta das Regiões Polares. No entanto, o blogue não foi admitido no concurso, em virtude da categoria estar prevista só para alunos do 3º ciclo.

Isto não deveria ser impeditivo, dado que a construção do conhecimento não passa obrigatoriamente pelos níveis de ensino. E ainda bem! O que seria dos alunos sobredotados!

Compete aos Professores adaptar as competências e aprendizagens ao perfil dos alunos que lecciona e não permitir que os estes com elevado nível de competências fiquem retidos num um nível de ensino, neste caso 2º ciclo, que já não cobre as suas reais aptências. 

Os alunos devem avançar para outras aprendizagens, previstas para o nível de estudos seguinte, dando-lhes a oportunidade de alargar os seus conhecimentos e incentivar o seu excelente desempenho.





Os Torrinhas Geração Polar/ Geração Polar  adquiriram competências no domínio das TIC que nem sequer estavam previstas para as áreas curriculares de Línguas. As TIC passaram a fazer parte, pela experiência  da Professora que já tinha um vasto currículo na área da Inovação na Educação, das áreas curriculares de Línguas e não curriculares de Formação Cívica e Estudo Acompanhado.

Adquiriram competências e realizaram projectos em tempos curriculares e extracurriculares. Estas aprendizagens tiveram lugar em regime de voluntariado, alunos e Professora (duas horas semanais) e funcionaram como actividades de enriquecimento curricular.

É pois com muito empenhamento, entusiasmo, alegria, que chegam ao final do ano lectivo e de ciclo, mais aptos, e muito orgulhosos ao apresentar o seu projecto web - Torrinhas Exploradores Polares, hoje Geração Polar, já que há vários anos sairam da escola e prosseguiram os seus estudos em outras escolas.

Alcançaram os seus objectivos! Superar as competências previstas para o 2º ciclo, mostrando que adquiram todas as competências previstas para o nível de ensino que frequentavam e alcançaram outras previstas para o ciclo de estudos seguinte.

Todos estão de parabéns! O grupo de alunos que tornou possível este blogue e todos os seus colegas - turmas 6C e 6I - que apoiaram este pequeno grupo nas pesquisas e recolha de informação.

Foi um gosto imenso trabalhar com estes jovens inovadores que me acompanharam no meu sonho de transformar o ensino num ritmo sequencial sem amarras a um determinado perfil.

Hoje seguem seus estudos em diferentes faculdades, mas continuamos, sempre que temos algum tempo disponível, a divulgar assuntos ligados à Educação Polar numa estreita comunidade online, já que todos somos atentos ambientalistas.

A students' project inspired on International Polar Year (IPY) 2007-2008.








This blog Geração Polar (Polar Gen) developed in Languages curriculum was created by students of a Secondary school in Porto, Portugal, as a curricular and extra-curricular activity to participate at the International Polar Year (IPY). 

For two years, the students worked on this project Geração Polar.One hour per week, my students and I went to school in an extra-curricular time to prepare the texts, to choose the themes and photos, making a serious research about Polar environment.






Education and Outreach

There are many ways you and your project members can get involved in Education and Outreach, such as contributing to IPY Blogs, working with local)schools and science centres, or doing media interviews.(...)



www.ipy.org



Now, only few students and me continue this blog project, in a collaboration online.

They are publishing, news, stories concerning Polar Education, when they have some time. I am tutoring as a collaborator. 

I don't teach face-to-face anymore at this school neither the students are studying in the same school. They grew-up  and are studying in different colleges in different areas: biology, music, engineering, ICT, sciences, literature, economy.

Together, we continue the blog Geração Polar with the same enthusiasm as environmentalists.

A Professora Coordenadora| The Coordinator Teacher

G-Souto

19.06.2007


Creative Commons License


Actualizado em 05.06.2017
Updated June 06, 2017

Thursday, May 11, 2017

Parque Nacional Los Glaciares celebra 80 anos





Parque Nacional de Glaciares
créditos: Alamy

Google celebrou o 89º niversário da criação do Parque Nacional Los Glaciares com um doodle, ontem, 10 Maio 2017.

O Parque Nacional Los Glaciares situa-se nos Andes Austrais, na Argentina, e foi criado 11 Maio 1937 com o objectivo de proteger a imensa área de gelos continentais.  As suas maiores atracções, os glaciares, têm vindo a moldar a paisagem há muito tempo.





Mapa do Parque Los Glaciares

O nome do lugar deve-se à abundância de glaciares que, no seu conjunto, deram origen ao território de Campo de Gelo Patagónico. Este lugar é mais conhecido como o manto de gelo maior do mundo, depois da Antárctica e Gronelândia.

Deste modo, o Parque Nacional Los Glaciares foi declarado pela Unesco como Património da Humanidade en 1981 para se poder proteger a flora, fauna e a geomorfología do lugar





Parque Nacional Los Glaciares
Google Doodle 80º aniversário


Foi precisamente isto que Google quis destacar com o Doodle ao formar com as letras G-o-o-g-l-e a imagem dos glaciares do Parque Nacional Los Glaciares.

O Parque e Reserva Nacional Los Glaciares ocupa una superficie de aproximadamente 600.000 hectares, localizados no S.O de la Provincia de Santa Cruz.
A superficie do gelo continental na Argentina é de 3.500 Km² e é a maior parte desta superficie que se encontra dentro dos limites do Parque Nacional Los Glaciares




Lagos glaciares
créditos: Autor não identificado

Da massa de gelo continental descem 13 glaciares nas bacias dos lagos Argentino e Viedma, muitos dos quais chegam ao nível dos lagos.

Dr ressaltar ainda que os maiores glaciares são Viedma (575 Km.²), Upsala (595 Km.²) e Moreno (250 Km.²).
A maioria dos glaciares do Parque, assim como muitos dos glaciares do Gelo Patagónico, retrocederam consideravelmente nestes últimos 50 anos.








Argentina's Los Glaciares National Park turned 80 years old Thursday, and Google celebrated the 80th anniversary with Doodle to mark the occasion.

Established on May 11, 1937, the park is Argentina's largest, and is also home to the country's biggest lake, Lake Argentino

It's best known, however, for the giant ice cap that covers 30% of the 2,807-square-mile park.




Google maps



The park is 2,800 square miles and lies on the border of southern Argentina and Chile.
Areas of the park are disputed territory for the two nations, who hope for international arbitration on the border.
Los Glaciares is the biggest national park in Argentina and one of the biggest in South America.


Perito Moreno Glacier, in Los Glaciares National Parksouthern Argentina
credits: user Martin St-Amant

The ice cap is the largest in the world outside of Antarctica and Greenland, it feeds a total of 47 large glaciers. Perito Moreno Glacier is the most famous of these, and is the inspiration behind the Doodle.
Set deep in the South of Argentinian Patagonia, Los Glaciares is home to jagged-toothed Mount Fitz Roy, which became the basis for the Patagonia brand's logo after founder Yvon Chouinard ascended the peak in 1968.





Yvon Chouinard with equipment for rock climbing, including Hexentrics 
Photo: by Tom Frost


The park’s northern boundary is a cluster of soaring, sharp-toothed peaks, including the forbidding Mt. Fitz Roy. Dominating the southern stretch is the awe-inspiring Perito Moreno Glacier, a towering wall of ice grinding a path through the Patagonian Andes. Its terminus, where the glacier flows into Argentina’s largest freshwater lake, is 5 km wide at an average height of 74 m above the lake’s surface.





Large piece of ice collapses as the glacier advances
credits: user CalyPonte

Global warming is causing many of the park’s glaciers to shrink, but one of the largest (the Perito Moreno glacier) is actually growing, to the confusion of scientists.

Los Glaciares National Park was declared a World Heritage Site by UNESCO in 1981, as "an area of outstanding natural beauty and an important example of the geological processes of glaciation." 

Geração 'explorer'

11.05.2017


Creative Commons License


Monday, May 1, 2017

Tributo : Ueli Steck 1976-2017






Ueli Steck em Pointe Walker
créditos: © Ueli Steck

É com muita tristeza que soubemos da morte de mais um alpinista de grande mérito, provocada por uma avalanche. Ueli Steck, suíço, 40 anos, conhecido como 'Máquina Suiça' do alpinismo, morreu este domingo num acidente de alpinismo perto do Monte Evereste

Ainda não está esclarecido como morreu ado alpinismo. Nos últimos anos, foram várias as mortes trágicas provocadas por avalanches em várias regiões do mundo. E o Monte Everest já tem antecedentes que não devem ser esquecidos. Falamos de Dan Fredinburg que morreu há dois anos, no dia 25 Abril 2015 e outros alpinistas no Nepal.

Fez também um ano no passado dia 19 Abril que morreu num acidente provocado por um avalanche, desta vez nos Alpes Suiços, Estelle Balet suiça, conceituada e experiente campeã mundial de snowboard extreme.





Ueli Steck, 2017
credits: ©Ueli Steck mobile upload/ April 26
https://www.facebook.com/ueli.steck/
"Quick Day from Basecamp up to 7000m and back. I love it its such a great place here. I still believe in active aclimatisation. This is way more effective then spending Nights up in the Altitude!"

Ueli Steck/ Facebook



credits: The Hymalian Times, 2017

Ueli Steck morreu num acidente de alpinismo perto do Monte Evereste, no Nepal, segundo informações dos organizadores da expedição. 
O alpinista morreu no campo 1 do Monte Nuptse. O corpo foi recuperado do local e levado para Lukla, onde se encontra o único aeroporto da região do Monte Evereste.
Segundo os organizadores da expedição, não está ainda esclarecido como Ueli Steck morreu, mas sabe-se que planeava escalar 8.850 metros (29.035 pés) do Monte Evereste, seguindo-se no próximo mês o Monte Lhotse.
O alpinista suíço torna-se a primeira vítima mortal da temporada de primavera no Nepal, que começou em Março e terminará em Maio.


Em 2013, Ueli Steck alcançou a primeira escalada individual do lado sul do Anapurna, no Nepal, depois de ter quase perdido a vida numa queda na mesa zona em 2007. 
Por este feito recebeu o prémio que é considerado o Óscar do montanhismo: o 'Piolet d’Or'.
Em 2015, Steck decidiu escalar os 82 picos acima dos 4.000 metros nos Alpes. Viajou entre montanhas a pé, de bicicleta e parapente. Completou esta missão em 62 dias, o que consolidou a sua reputação como “Máquina Suíça”.


Numa entrevista no mês passado à publicação suíça Tages-Anzeiger, Ueli Steck considerou-se como um ‘outsider’ no montanhismo, porque as conquistas atléticas eram para ele mais relevantes do que a aventura.



Ueli Steck em  Annapurna
créditos: Autor não identificado

Questionado então sobre a próxima expedição ao Evereste e ao Lhotse, afirmou: 
“No Evereste posso parar em qualquer ponto. O risco é, portanto, bastante pequeno. Para mim é principalmente um projecto físico”.
“Quero escalar o Evereste e o Lhotse. Mas é uma meta muito alta. Falhar seria para mim morrer e não voltar para casa”, afirmou na mesma entrevista a propósito da expedição onde acabou por perder a vida ontem, dia 30 Abril 2017.


Ueli Steck 1976-2017
credits: © Ueli Steck/Facebook
https://www.facebook.com/ueli.steck/
Famed Swiss climber Ueli Steck was killed Sunday April 30 in a mountaineering accident near Mount Everest in Nepal, expedition organizers said. 
Mingma Sherpa of Seven Summit Treks said Steck was killed at Camp 1 of Mount Nuptse. His body has been recovered from the site and taken to Lukla, where the only airport in the Mount Everest area is located. 
According to a report on The Himalayan times website, Swiss Alpinist Ueli Steck - known as the 'Swiss Machine' - has died in an accident on Mount Everest. His body was discovered by six rescuers near the Nuptse Face of Everest on Sunday morning local time.

The 40 year-old held numerous speed records, notably the North Face trilogy in the Alps.



Everest- Lhotse
credits: SFR
https://www.srf.ch/sport/
A group of six rescuers discovered a body of the multiple-record holder mountaineer near the Nuptse Face of Mt Everest where he could have slipped and fell on the ice-covered slope. Fellow mountaineers had seen him climbing Mt Nuptse alone at around 4:30 am.


Steck's family said the exact circumstances of his death were still unclear. 
"The family is infinitely sad and asks that the media refrain from speculating about his death out of respect and consideration for Ueli," it said in a statement on Steck's website


Ueli Steck, 2017
credits: ©Ueli Steck mobile upload/ April 23
https://www.facebook.com/ueli.steck/
"As soon as reliable information about Ueli Steck's death becomes available, the media will be informed." 
Steck was planning to climb 8,848-metre Mount Everest and nearby Mount Lhotse (8,516 metres) next month.
The 40-year-old Steck was one of the most renowned mountaineers of his generation. He was best known for his speed-climbing, including setting several records for ascending the north face of the Eiger, a classic mountaineering peak in the Bernese Alps in Switzerland that he climbed in two hours and 47 minutes without using a rope. 


Ueli Steck, 2015
credits: ©Ueli Steck
http://4sport.ua/
Steck once said he considered himself an "outsider" in the mountaineering scene because athletic achievement was more important to him than adventure.
In a recent post on his website, Steck mused about the transience of success in mountaineering and the inevitable decline that comes with age. 
"A record is broken again and again, and the world keeps on turning," he wrote. "You are getting older, and there comes a time when you have to adjust your projects to your age." Read more here

Last Monday, Mr. Steck told his Facebook followers that preparations for what would be his last expedition were going well. And in his YouTube video posted before his climb, he described himself as “super ready, I mean I’m so psyched,” adding, “For me the project is already a success.”
A year ago, on 19 April 2016, Swiss snowboarding champion Estelle Balet was killed in an avalanche. We honored her at Earth Day 2016.
In recent years, several tragic victims caused by avalanches in different parts in the world.

RIP Ueli Steck ! Our tribute :-(
Geração 'explorer' 
01.05.2017
Creative Commons License